Microcontos 51-55

51

MC51

Adiantava a hora do despertador.
Não conseguia livrar-se da pressa.
Ela se aconchegava junto a ele todas as noites.

52

MC52

Vida mansa. Essa era a melhor política.
O bisavô, a quem chamavam de Marquês, lhe diria: não chore pelo leite que ainda não foi tirado, pombas!
Sorriu da lembrança.
Amarrou o tênis, agarrou a guitarra e saiu para tocar com a banda.

53

MC53

Os pais venceram a neve daquele sábado, obstinados, rumo ao museu. A mãe com o objetivo de ver o hominídeo da área antropológica. O pai, a veste samurai da exposição sobre o Japão. Enquanto o carro seguiu, ele desligou-se por completo e imergiu em seu mundo particular, iniciando o habitual movimento iterativo.

54

MC54

Na Rússia, do lado externo do Aeroporto Internacional Domedovo, próximo de um parque, abre-se um portal. A cada avião que zune decolando ou aterrissando, um ser fantástico entra ou sai por ele. A magia é ordenada pelo canto de uma cotovia, a mando de uma maga anciã.

55

MC55

O prato especial que Cavaco, um brasileiro naturalizado alemão, fazia no restaurante Quantum não passava de tutu com berinjela. Mas o nome era pomposo: Nahrung der Götter.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s