Das Escrituras

CAPA TESTE MINICONTO DAS ESCRITURAS

 

 

O sujeito tinha “aparecido” na cidade.

Descalço e maltrapilho carregava consigo uma vara de madeira retorcida. Mal cheiroso e barbudo percorrera as poucas ruelas entoando orações e cânticos. Apiedados do homem, os moradores lhe alimentaram e acolheram. Suas palavras eram sábias e seu olhar complacente. Contudo, depois de dois ou três dias circulando, fora interpelado pelo padre que, desconfiado e, acima disso, enciumado, não aceitou as prédicas do homem e sugeriu que ele deixasse a vila.

— Tome rumo! Junte as doações e vá!

Assim foi ordenado e não cumprido.

Na tarde seguinte, o andarilho desafiou o padre da única igreja construída. Desafiou-o com a palavra do Senhor. O avermelhado da pele da face do desconhecido acentuava-se aos poucos. E todos da pequena Vila dos Prantos queriam saber como aquela pendenga terminaria. Estavam curiosos e não era para menos.

— Eu sou os olhos do cego e a cegueira da visão – ergueu as mãos e quando o padre Josias apareceu à porta da igreja, vestindo a batina negra cheia de botões, o povo emudeceu de vez e ele gritou – Sua cegueira é maior!

O semblante do padre era um misto de raiva e melindre.

— Vá embora! – Desceu os poucos degraus e cruzou a rua com passadas firmes ordenando prepotente – Por que veio aqui iludir o povo?

— Por que você me pergunta? Perguntas não vão lhe mostrar. Deus disse: Eu sou feito da terra, do fogo, da água e do ar! Não é possível viver na ignorância. Não é possível esperar que tudo desça do céu como um milagre.

O menino inocente aplaudiu, lembrando-se de Raul Seixas, e sua mãe lhe puxou o braço, sacudindo-lhe o corpo, olhando-o com raiva.

Os sussurros aumentaram aos poucos.

— Não há lugar aqui para falsos profetas.

— Nem para descrentes de Deus – o homem o afrontou. — Eu sou, eu fui, eu vou!

— Não há verdade nas suas palavras. Você não é Deus! E digo mais, o demônio se mostra de várias formas.

— Deus está nas minhas palavras – disse de forma firme. — No início, no fim e no meio! — E bateu três vezes a vara no chão.

Do céu, encoberto, veio o estrondo. Todos olharam para o alto e, pouco depois, outro raio caiu próximo do campanário, ressoando o sino. As grossas gotas de chuva começaram a estampar o chão de terra batida. O pó ergueu-se. Rapidamente, a água desceu com volume e barulhenta.

O povo correu.

O padre correu.

Depois da chuva, olhos atentos surgiram por entre janelas e portas a se abrir tímidas.

O padre Josias retornou à praça, à procura do andarilho, numa busca vã. Seus fiéis compareceram aos poucos. O céu ainda estava encoberto, mas a chuva tinha se dissipado.

O padre olhou para a igreja. Era hora de preparar a missa e o sermão.

Tudo estava no seu devido lugar.

~~~~~~~~~ 26/09/2013

Desafio de escrita – Construir uma história em cima de uma música.
Referência: Guita, de Raul Seixas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s