Desconstrução

 

DESCONSTRUÇÃO

O trabalho dessa noite não será fácil, pensa enquanto sobe os degraus da Abadia de Westminster numa peregrinação silenciosa e solitária.

Ao chegar ao topo, retira seu chapéu e capote encharcados devido à chuva de poucos minutos atrás. Após averiguar se o cocheiro já partira, o homem respira fundo, faz o sinal sagrado e entra na catedral londrina. Senta­-se naquele confessionário, onde o encontraria.
Ele coloca suas luvas de couro, retira sua arma do bolso e a aponta para a treliça:
— Perdoe­-me, padre, pelo pecado que cometerei agora.”

 

— Mas que bosta! — Você arranca o papel da máquina de escrever e o amassa com raiva. Joga-o para longe como se quisesse acertar o monstro que ronda a semana: a incapacidade de retomar a escrita de forma efetiva. — Droga! Isso está longe de ser o parágrafo que quero. Longe de ser o ideal.

As mãos invadem os cabelos e os olhos se fecham. Tudo o que deseja é colocar aquelas palavras do jeito certo. As ideias estão bem dentro de seu cérebro. É uma questão de tempo. Disciplina, você pensa.

Recosta-se na cadeira. Respira fundo e toma a folha de papel, segurando-a por um instante. A brancura lhe faz lembrar o vazio daquela casa.

Recoloca a folha. Gira o rolo. Alinha-a. Puxa o ar para dentro como se fosse aquele café não tomado por falta de pó. A garrafa de uísque em cima da mesa tem o poder de lhe prender o olhar. Um convite tentador.

— Não! Não preciso. Hoje escrevo sóbrio — você diz em voz alta, convencendo a si e aos fantasmas a lhe assombrarem.

O som dos dedos batendo nas teclas marca a imprecisão. Os tipos batendo no papel desfazem a mudez do espaço. A datilografia é lenta. Você devia ter feito um curso técnico. Não seria mal saber bater nas teclas usando dez dedos ao invés de seis.

 

O trabalho dessa noite não será fácil, ele pensa enquanto vence cada um dos degraus da Abadia de Westminster numa peregrinação silenciosa e solitária. Ao chegar ao topo, retira seu chapéu e capote, encharcados devido à chuva de poucos minutos atrás. Após averiguar se o cocheiro já partira, o homem respira fundo, faz o sinal sagrado e entra na catedral londrina. Senta­-se no confessionário, onde consegue encontrá­-lo.

Ele coloca as luvas de couro, retira sua arma do bolso e aponta-a para a treliça:
— Perdoe­-me, padre, pelo pecado que cometerei agora.”

 

Ao parar de escrever, você olha para as linhas. Lê em voz alta o texto e um novo palavrão salta da boca.

— Puta merda!

Levanta de forma brusca e a cadeira vai ao chão.

O primeiro parágrafo não deveria ser um suplício. A história está toda dentro da cabeça. É uma questão de tempo para transpor a barreira e descansar no papel. Só uma questão de tempo. Tudo é uma questão de tempo. Até Vera foi uma questão de tempo.

Um gole de uísque. Você definitivamente não tem palavra. E outro, para contrariar a promessa feita. Um cigarro também ajuda. Você é dramático por natureza. Fica pior a cada ano. A cada livro.

Você vai até a janela e repara na rua. Está escura outra vez. Alguém acertou a lâmpada da esquina na madrugada de ontem. Repara as janelas do prédio da frente. A vizinha deixa a toalha de banho no peitoril da janela para o porteiro saber quando o marido faz frete. O morador do segundo andar ainda está em frente da TV. Nada muda e você se nega a entrar naquele jogo e mergulhar no marasmo para morrer na praia.

O jeito é encarar a escrita de novo. Você não tem escapatória. Tem um prazo a cumprir. But I have promises to keep. And miles to go before I sleep. Você ri e olha para a máquina.

 

“Ele constrói cada trabalho em uma peregrinação silenciosa e solitária. Olha para o alto e a Abadia de Westminster lhe devolve o ar soturno. O trabalho dessa noite não será fácil, diz a si mesmo ao vencer os últimos degraus. Ao chegar ao topo, em frente à porta, retira o chapéu e o capote. Ouve o cocheiro dar a partida. A rua retoma o ar taciturno. Observa por um breve instante o brilho frio da chuva na calçada e respira fundo. Tira o chapéu. O sinal sagrado é feito como em um ritual imprescindível.

Dentro da catedral londrina, senta­-se no interior confessionário, onde consegue encontrá­-lo. Coloca as luvas de couro e retira a arma do bolso do capote. Aponta para a treliça:
— Perdoe­-me, padre, pelo pecado que cometo agora.”

 

Você apoia os cotovelos na mesa cruzando as mãos e deixa o queixo descansar. Recosta-se na cadeira e encara o escrito. O brilho no olhar não é à toa.

— Feito!

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s