O Colecionador

O COLECIONADOR CAPA DEFINITIVA

 

 

No começo, a criatura olhou-o desconfiada, mas o cheiro da cachaça e a consciência de ser, aquilo, uma corda de tabaco, a atraiu para perto da acanhada fogueira. Jürgen Einsheart parou um segundo, receoso do gesto, mas cortou um pedaço do fumo e esticou o braço para o pequeno ser oferecendo o mantimento.

O habitante da mata desmontou do animal, apoiando-se na vara que segurava. Depois, encostou o bambu fininho na árvore. Aproximou-se. Aceitou o pedaço do vício, tomando-o para si com as duas mãos em um gesto indeciso, mas delicado, como se tivesse sido presenteado com algo valioso. Depois, sentou-se com os olhos escuros, tão escuros quanto o céu daquela mata à noite, ainda grudados no caçador, e mordeu o fumo colocando um naco na boca, mascando e sorvendo o gosto forte da erva prensada, impregnada de melaço preto.

— Fala a minha língua? — perguntou, mesmo sabendo da inutilidade. Segundo os nativos, a língua falada pela criatura era tupi arcaico, misturada com outros sons; diziam ser dos animais da floresta; a língua da natureza. Outros relatavam o poder mandingueiro a ele concedido: o de reviver as criaturas mortas por caçadores.

Não obtendo resposta, o alemão cutucou as madeiras com movimentos contidos, avivando o fogo. Ainda sentado com uma das pernas dobrada para baixo da outra, abriu a garrafa de aguardente.

— Meu nome é Einsheart — apresentou-se. Soubera na vila que ninguém jamais falara com o silvícola. — Vim de longe — tentou parecer natural. — De uma terra fria, sem esses tons de verde, mas de beleza ímpar, assim como essa mata densa. — Bebeu um gole generoso da pinga e estendeu a garrafa para o convidado.

O morador da selva cuspiu a saliva impregnada da seiva do fumo. Tomou da cana devagar. Apreciou o sabor. E, como se amigo fosse, sorriu para ele.

O estrangeiro preparara tudo com parcimônia. A pequena espingarda de um tiro e os dardos tranquilizantes jaziam ao seu lado. Por um tempo, observou o nativo. A garrafa estava pela metade quando decidiu ser a hora de fazê-lo dormir. Caberia a Frederick Triumph, o contratante daquela empreitada, o trabalho de colocar a criatura no descanso eterno.

Com um movimento discreto, Einsheart girou o corpo, tomou a arma e disparou uma vez contra a criatura, atingindo-a no ombro. O segundo dardo, habilmente carregado segundos depois, acertou-a na região do peito quando ela movia-se para longe, tentando fugir da droga.

Assim que a presa fechou os olhos, ouviu-se um estrondo no céu. Quando o corpo do silvícola tombou, seu animal de estimação e montaria deitou-se caprichoso ao seu lado, obediente, resguardando-o. O caçador parou em atenção. Um vazio de sons tomou conta de tudo. A floresta emudecera.

Pingos grossos bateram de encontro às folhagens. Ele ouviu cada batida. Primeiro devagar. Depois, num crescendo, até não haver distinção entre uma e outra, tão intensamente que provocou arrepios.

A chuva caiu sem dó, escorrendo pelos cipós e outras cordas trepadeiras quando ele ajeitou o corpo do pequeno ser dentro da grande mala. O dócil javardo deixou-se capturar e seguiu com Einsheart, levado por uma corrente.

Choveu a cântaros. O acampamento foi desfeito. A bússola e um mapa detalhado da trilha foram suficientes para guiá-lo naqueles quilômetros para fora da selva encharcada até o descampado.

Ao chegar ao avião, retirou o Caapora da mala e ajeitou-o com cuidado, prendendo-o com as correntes junto do animal na parte modificada do biplano, especialmente desenhada para transportar as mercadorias. Recarregou a arma tranquilizante e ajeitou-se na cabina com a sensação incômoda de estar cometendo um crime. Reparou o mar verde ao redor. A vegetação rasteira já invadia a pista improvisada, construída há meses para a sua vinda. O sujeito que o contratara não sabia mesmo o que fazer com tamanha fortuna.

Lembrou-se perfeitamente do dia que o mensageiro batera à porta de sua modesta casa em Berlim carregando passagens de trens e navios. O destino: a América. O contrato: uma caçada no Brasil. Até aquele momento, visitar as terras brasileiras próximas da Venezuela jamais estivera em seus planos, mesmo sendo o melhor caçador de relíquias, mas Frederick Triumph mudou isso.

 

— É uma coleção estranha e… — Olhou diretamente nos olhos do ser esverdeado com membranas nos pés e mãos atrás do vidro triplo. — Intrigante…

—Algumas foram capturadas depois de muita espera. Eu participei de quase todas as ações de capturas. Contudo, na última… — Girou a cadeira de rodas e afastou-se da enorme recipiente cilíndrico. Sinalizou ao empregado para que fossem servidos de uísque.

—O senhor já tem um grupo numeroso nessa… Galeria-museu — circulou pelos receptáculos passando os olhos nas criaturas sem conseguir deixar de encará-las. Percebeu algo díspar naquele grupo extraordinário. — O que é esse aqui?

— Um Kappa. — Aproximou bem a cadeira. Naquela posição, ficou alguns palmos mais baixo que o prisioneiro. — Capturei-o com um pepino, acredita nisso?

— E aquele? É um macaco?

— Um macaco? Ora… — O norte-americano balançou a cabeça em desaprovação. — É um exemplar de Yeh-Teh. Segundo os nepaleses, ele é o resultado do cruzamento de um macaco com uma ogra.

— Qual o propósito da coleção, Herr Frederick? — Verificou o painel de controle luminoso na base do tubo. — O que está usando para evitar o autoextermínio das células? Formol? É gás o que está usando? — notou os cilindros metálicos abaixo da base. — Ele evita o ataque de bactérias? — Voltou-se para o anfitrião. — Essas criaturas não parecem estar mortas…

Dearest Einsheart… Um milhão de dólares me parece uma soma adequada para não fazer suposições ou perguntas. — O homem dentro do terno risca de giz se voltou para ele e levantou o copo de uísque em um brinde. — À peça que falta à minha coleção.

— À peça que falta à sua coleção fantástica, senhor Triumph.

— Não se esqueça do fumo e da cachaça. Não há como trazê-lo sem isso.

— É claro.

 

É claro. Desvencilhou-se das lembranças e ligou o motor. Decolou rumo a Ciudad Bolívar. O percurso só não foi tranquilo em virtude das luzes e estrondos furiosos. A tempestade o acompanhou até a Venezuela. A rota planejada encurtou o trajeto entre o solo brasileiro e seu destino, a fronteira mexicana, com paradas estratégicas no Panamá, Costa Rica, Nicarágua, Guatemala.

Aterrissou com dificuldade na pista irregular com o X5665. Três dias de voo.  Estava em Ciudad Acuña, poucos quilômetros distante da fronteira com os Estados Unidos. Antes mesmo de desligar o motor, recarregou a Walther 38. Não confiava no contratante norte-americano, apesar de ter recebido em espécie parte do pagamento. Ouvira boatos sobre as mortes dos contratados por ele, por isso, ao deixar o monomotor dobrou a atenção.

Tampouco confiou o transporte terrestre a alguém. Não viu necessidade de dopar o silvícola mais uma vez e ajeitou-o dentro da grande mala. Certificou-se de a corrente estar prendendo o pescoço do porco selvagem e seguiu com a mercadoria até a propriedade de Triumph.

Foi levado para a grande sala da mansão, aquela na qual já estivera.

My dear Einsheart!  Vejo que trouxe minha encomenda. — Apertou um dos botões do painel e o tubo gigante ejetou-se da superfície de metal. — Pode colocá-los aqui. — O homem movimentou a cadeira de rodas.

Herr Triumph.

Sus scrofa — o colecionador olhou diretamente para o pequeno e singular javali. — Teve trabalho em trazê-lo? — E, diante da resposta negativa, continuou: — Ele é, digamos, a extensão do Caapora.

— Que é uma criatura mágica. — Sentiu os olhos de Triumph sobre ele. — Andei lendo a respeito delas.

— Caro Jürgen… Posso chamá-lo assim? — Não esperou pela resposta. — Vamos ao que interessa. — Apontou para a bagagem.

Diante da urgência, o alemão deitou a mala no chão, tomando cuidado para não machucar o ser narcotizado em seu interior.

O javali continuou resignado àquela condição de prisioneiro. Muito tranquilo, deixou-se colocar em cima da base do tubo e assentou-se docilmente. Triumph aguardou a abertura da mala. Poderia, assim, entubar seus troféus.

O alemão puxou o molho de chaves do bolso interno da capa. Destravou os cadeados laterais e ergueu as presilhas.

— Não tem pena de matar essas criaturas?

A pergunta de Einsheart soou avessa, como uma ofensa. O norte-americano moveu de forma brusca a cadeira de rodas para perto da mesa de tampo metálico e abriu uma das gavetas, retirando duas ampolas cujo conteúdo amarelado cintilou contra a luz. Abeirou-se do tubo onde o javardo fora colocado e acionou um dos botões. Abriu-se um orifício na parede da base e dela saíram dois suportes com canos condutores. Triumph encaixou as ampolas.

— Estamos perdendo tempo, Mr. Einsheart. Abra a mala e coloque o Caapora junto da montaria para eu completar minha coleção — ordenou arrogante e com urgência. — O restante do pagamento estará em suas mãos assim que eu conferir a encomenda.

Einsheart separou a terceira chave e destravou o cadeado principal.

Assim que a mala foi aberta, Triumph parou extasiado com a visão da pequena criatura perfeitamente encaixada naquele espaço. O brilho dos olhos e a mudez momentânea do colecionador não deixaram dúvidas: ali se encontrava um espécime ímpar.

O caçador se agachou e passou uma das mãos por baixo do pescoço do silvícola, envolvendo o tronco com o outro braço. Nesse momento, ouviu-se um gemido discreto, um sopro saído com sofreguidão. Desconsiderando isso, Einsheart ergueu-o, tirando-o para fora da mala. Foi quando o Caapora abriu os olhos e o encarou.

O javardo, sentado, ergueu-se em um movimento ligeiro.

Com a mesma rapidez com que abriu os olhos, o silvícola agarrou-se aos braços de Einsheart, que, assustado, cambaleou de ré, em um misto de assombro e medo.

— Segure-o! Leve-o até o cilindro! Rápido! — Triumph ordenou histérico e lançou a cadeira para trás, em direção de uma mesa. — Não o largue!

Einsheart, contudo, não conseguiu agir, paralisado do susto. Viu o javali saltar da base cilíndrica em sua direção. Tentou largar o Caapora e se arrastar para perto de outro cilindro, mas o silvícola prendeu seus braços e o afrontou com o olhar. Na cabeça do caçador, aquele era um sinal de combate, de vingança pela traição.

Triumph abriu a última gaveta e retirou uma pequena espingarda. Com rapidez alimentou-a com um dardo tranquilizante. Tentando ser ágil em sua limitação, o homem girou a cadeira e apontou-a para o Caapora sem, contudo, ser bem-sucedido. O porco, até o momento, parado, saltou em sua direção abocanhando uma das pernas. A arma disparou, mas o alvo foi outro. O alemão foi atingido pelo dardo no pescoço. O corpo adormeceu rapidamente das extremidades para o tronco. Ao perder a sensibilidade nas pernas, caiu de joelhos. Os braços penderam para baixo e o Caapora saltou para longe quando o alemão despencou caindo parcialmente em cima da mala aberta.

O javardo correu para perto de seu dono e os olhos do pequeno ser brilharam ao pronunciar as palavras em tupi-guarani antigo. Nesse momento, o colecionador se deu conta do efeito inevitável. Ao usar o encantamento, o Caapora fez acordar as criaturas.

O primeiro a abrir os olhos foi o Yeh-Teh. Forte, e percebendo estar preso, urrou enraivecido e bateu de encontro ao tubo, provocando uma fissura. As pancadas subsequentes quebraram parte do tubo, deixando o gás escapar. Logo, o enorme bicho respirava em cima de seu algoz, arrancando-o da cadeira e arremessando-o de encontro a outro cilindro com força descomunal.

A cadeira de rodas, jogada a seguir, bateu contra o tubo onde o Kappa estava preso, provocando sua quebra. As outras criaturas despertas, dando-se por conta da situação, também utilizaram a força para escapar das redomas, derrubando os cilindros.

O Yeh-Teh e o Kappa saíram por primeiro, arrebentando a porta, abrindo caminho. As outras criaturas libertas seguiram depois.

Somente o Caapora e o javardo ficaram.

Aproximando-se do norte-americano, o pequeno ser da mata cutucou-o com um dos pés. Observou-o com prudência. O colecionador estava morto. Isso bastava. O Caapora montou no pequeno javali e passou próximo do alemão, ainda sob o efeito do tranquilizante. Deu uma boa olhada no caçador. Depois, contemplou a destruição merecida daquele espaço de tristeza e seguiu para fora.

O caminho era longo até as terras brasileiras, seu lar, mas ele estava livre, assim como as outras criaturas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s