Os amores de Pã

OS AMORES DE PÃ DEF

 

Daphnis costumava banhar-se e passar as tardes perto do córrego de águas límpidas e tranquilas. A deidade, vinda detrás dos enormes rochedos e arbustos, próximo das fileiras de pinheiros a ladear o lugar, parou de forma tranquila a observá-lo.

O moço sobressaltou-se.

— Tu és novo por aqui. Não te reconheço.

— E-estás enganado — respondeu titubeante o pastor. — Venho aqui todo o verão, fugindo das colinas, em busca da sombra. Sou Daphnis. E tu, quem és?

— Por acaso não reconheces uma divindade quando ela aparece?

A criatura o cercou saltitante, a assoprar a siringe. O flerte foi recíproco. Assim, deixou-se cativar e passou a sofrer desse mal. Ao aproximar-se da divindade as pernas tremiam. Um calor envolvente subia pelo corpo desde a ponta dos pés e a voz vibrava. As maçãs do rosto, de tons delicados, avermelhavam como tomates maduros.

— Bebe! — Destampou e estendeu o cantil. — Bebida dos deuses!

— Estas a flertar comigo?

— Não queres? — perguntou o desconhecido.

 

 

Longas tardes de estio ao som doce dos tubos do pequeno instrumento moldavam a vida do casal a esperar pelos ventos propícios do outono trazendo os frutos da estação.

— Vais ensinar-me a tocar a siringe?

— Isso, e muito mais.

Apesar das palpitações, no tempo que seguiu, Daphnis foi acometido de ciúme doentio. Ele, cujo nome significava ‘cego para sua infidelidade’ enxergava mais do que queria.

— Sou-te fiel.

— Mentes com a mesma facilidade que tocas essa flauta — A fidelidade unilateral gritava: seu grande amor meio-humano não respeitava limites. — Não consegues manter teu desejo quieto por entre as patas.

— És o primeiro e único.

— Estás a mentir sobre Syrinx e sobre Pítis? Negas amar Selene? Eu te vejo deitar-se ao riacho, acariciá-la no reflexo e, ela, a brilhar ainda mais após os carinhos.

— Juro-te amor, e o que fazes? Julga-me de forma inconsistente.

Do envolvimento amoroso para acaloradas discussões diárias não levou mais do que algumas luas.

 

 

 

Ao buscar a magia, Daphnis encontrou a paz. Se não o pudesse ter só para si, tampouco ela o teria. Haveria de tirar um chifre, porque assim, matando a vaidade e o símbolo de sua macheza, o deus seria incapaz de sentir-se completo. Misturou as ervas. Destilou com a bebida. Invocou as forças contrárias e estava feito. Guardou o líquido no cantil.

Horas depois de uma noite iluminada, de cantoria e falso vinho, o desesperado pastor viu o amante sucumbir nas margens do regato, a chamar pelo nome dos dois.

Executou o plano sem piedade. Arrancou um dos cornos e correu da floresta. Mal tocava os pés no chão. O medo mordiscava os calcanhares. Naquela altura, não bastava ser inteligente. Esperteza e agilidade eram atributos essenciais.

Trancou-se na humilde morada, enrolando o artefato em uma manta, enfiando-o dentro de uma bolsa de algodão junto de outros pertences. Seguiria viagem ainda naquela madrugada, ingênuo de não poder ser alcançado pelo deus dos bosques e dos rebanhos.

Foi quando a porta escancarou-se e a criatura, meio homem, meio bode, dois passos à frente, berrou:

— Devolva meu chifre!

 

***

Desafio de imagem.

 

A imagem pode conter: sapatos e atividades ao ar livre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s