Despedida (Evelyn Postali)

Micro Estórias

Com um olhar suplicante, mas impotente, ele a viu partir. Ela jogou um beijo discreto e acenou da janela. Seguiu a pé da rodoviária para casa, tentando acalmar a revolução que bagunçava por dentro todos os sonhos e planos. Agora, tudo por dentro era meio cinza, feito um terreno baldio. A única coisa que restava era a lembrança do sabor do beijo de Isabela, parecido com o mel das abelhas criadas junto a plantações de assa-peixe.

Ver o post original

Microcontos 61-65

Microcontos 61-65

61 Alice e Lewis conheceram-se naquele pub de Oxford – The Eagle and The Child. Indicação do amigo João Ronaldo. Depois daquela noite, entre lençóis, salsa caribenha e samba, decidiram seguir para Sydney. A intenção era ver cangurus.   62 … Continuar lendo

Folhetim (Evelyn Postali)

Micro Estórias

Perseguido, rastejou-se para perto do anêmico riacho pedindo perdão. Sentia a pele feito manga chupada até o osso. O cavalo não resistira. Morrera quilômetro atrás, na secura da caatinga. A sede se igualava ao medo quando o sol foi encoberto pela sombra do cangaceiro mais temido da região. Olhar para a mulher do sujeito na vendinha local selara seu destino.

Ver o post original

Microcontos 56-60

Microcontos 56-60

56 Ela comprara um sistema computadorizado para a vassoura. Não perderia mais o rumo. Esperar pela entrega era um martírio, mas fazer o quê? Tentaria se distrair com a nova receita. Cortaria o morcego, tiraria a pele da cobra e … Continuar lendo

Microcontos 51-55

Microcontos 51-55

51 Adiantava a hora do despertador. Não conseguia livrar-se da pressa. Ela se aconchegava junto a ele todas as noites. 52 Vida mansa. Essa era a melhor política. O bisavô, a quem chamavam de Marquês, lhe diria: não chore pelo … Continuar lendo

Microconto matinal

Ela se apaixonou pelo intelectualismo dele. Alfredo era quase Deus na terra. Quando ela se muniu de estudos e especializações para acompanhá-lo, descobriu que, do espírito e da inteligência, o amado só tinha pose. A intelectualidade era tão falsa quanto as teorias formuladas com o nome de outros.

Conformou-se com o erro de escolha, mas dispensou a companhia dele em um café da manhã.

Desapego (Evelyn Postali)

Olhava para as uvas penduradas. Para a água depositada em algumas folhas. O pingo preso ao último grão do cacho. Da vidraçaria, enquanto observava o parreiral nos fundos da casa do morador do meio da quadra contabilizava o sustento. Tudo na ponta do lápis. A matemática era simples.

Micro Estórias

Olhava para as uvas penduradas. Para a água depositada em algumas folhas. O pingo preso ao último grão do cacho. Da vidraçaria, enquanto observava o parreiral nos fundos da casa do morador, do meio da quadra, contabilizava o sustento. Tudo na ponta do lápis. A matemática era simples.

Ver o post original

Desapego (Evelyn Postali)

Olhava para as uvas penduradas. Para a água depositada em algumas folhas. O pingo preso ao último grão do cacho. Da vidraçaria, enquanto observava o parreiral nos fundos da casa do morador do meio da quadra contabilizava o sustento. Tudo na ponta do lápis. A matemática era simples.

Fonte: Desapego (Evelyn Postali)

(Publicado originalmente no grupo Entre Contos do Facebook)

Manobra (Evelyn Postali)

Perceberam estar no âmago da nuvem de gás. A descoberta daquele ponto central limpo, sem turbulência serviria para estabilizarem o sistema. O momento era delicado. O engenheiro estipulara uma abord…

Fonte: Manobra (Evelyn Postali)

Capítulo Final (Evelyn Postali)

Enquanto escrevia o capítulo final, o cheiro almiscarado perpetuou a lembrança da visita à catacumba do pai. Em gesto iracundo, totalmente avesso ao que pretendia, matou outra vez. Dessa feita, o p…

Fonte: Capítulo Final (Evelyn Postali)

Chá? (Evelyn Postali)

Micro Estórias

Ouviu a campainha. “Hora de zarpar…”, lembrou-se da viagem. “Quando mesmo?” Levantou com a ressaca martelando. Calçou as pantufas. Abriu a porta e apertou os olhos – inútil tentativa de proteger o cérebro da luz. O, até então, hipotético abominável homem das neves, estava diante dele. Fechou a porta, indeciso. “Do que mesmo era aquele chá?”

Ver o post original

Chá? (Evelyn Postali)

Ouviu a campainha. “Hora de zarpar…”, lembrou-se da viagem. “Quando mesmo?” Levantou com a ressaca martelando. Calçou as pantufas. Abriu a porta e apertou os olhos – inútil tentativa de prote…

Fonte: Chá? (Evelyn Postali)

Microconto policial

Microconto policial

O assassinato de Lola, a tartaruga espanhola, era uma salada de confusão envolvendo o delegado Cardoso, um jacaré vindo de Miami, e o promotor, seu rival, Vegas, uma lebre que se tornara famosa pela prisão de Ubino, o javali serial … Continuar lendo

Julgamento

Julgamento

Osíris, sentado ao trono, olhava para o Curupira à sua frente. A julgar pelo desequilíbrio constante da balança, não seria nada fácil. — Não sei de nada disso, não, senhor. Essa tal escatologia, aí. Coisa mais estranha de se dizer… … Continuar lendo

Advento (Evelyn Postali)

Inundado de satisfação, o General prostrou-se aos pés da criatura fantástica surgida do portal dimensional. A devoção plena emergiu da resiliência. O poder domou suas entranhas e o fez reiterar sua…

Fonte: Advento (Evelyn Postali)

Advento (Evelyn Postali)

Micro Estórias

Inundado de satisfação, o General prostrou-se aos pés da criatura fantástica surgida do portal dimensional. A devoção plena emergiu da resiliência. O poder domou suas entranhas e o fez reiterar sua total obediência. A incúria de seus subordinados foi retalhada e substituída por ímpia coragem. No fim da batalha, os inimigos subjugados foram mortos. Outro tempo e Senhor reinava sobre a terra.

Ver o post original

Ritmo (Evelyn Postali)

Micro Estórias

O turno terminava. Sacudiu o pó do macacão ao som do hip-hop. A música o transformava. Guardou a alicate e a chave inglesa. Ajeitou as ferramentas na caixa. Seguiu com seu swing pela periferia, passando pelos grafites dos muros, pelas fachadas pichadas, pelos grupos nas esquinas. Alargou um sorriso hollywoodiano ao se lembrar de Teresa. Sentiu chegar a hora de usar seu melhor argumento para conquistá-la.

Ver o post original